23/09/2019 às 11h29min - Atualizada em 23/09/2019 às 11h29min

Grupo organiza ato contra intolerância religiosa após ataque a estátua de Iemanjá em Florianópolis

Não é a primeira vez que a estátua foi alvo de ataques de intolerância religiosa. Manifestação aconteceu neste domingo no Ribeirão da Ilha.

Hora de SC
Foto: Thiago Cordeiro / Arquivo pessoal
Um grupo de pelo menos 150 pessoas organizou um ato contra a intolerância religiosa após o episódio da última quinta-feira (19), quando uma mulher  desferiu mais 20 golpes de marreta na estátua de Iemanjá, danificando base, as mãos e alguns ornamentos.

A estátua de Iemanjá foi colocada no local em 2013 pela Sociedade Ylê de Xangô, que mantém um centro de umbanda nas proximidades. A organização encabeçou a manifestação realizada neste domingo, que durou pouco mais de uma hora.

- "Ninguém tem o direito de ferir a fé alheia. A liberdade religiosa está resguardada pela constituição. A pessoa que cometeu este ato, com certeza, está passando por um momento difícil. Porque para sair de casa para cometer este ato precisa encontrar Deus dentro dela mesma" - disse Aporele Zaia, representante da Ylê de Xangô.


O caso foi registrado na subdelegacia do Ribeirão da Ilha. A Polícia tenta identificar a suspeita e o automóvel também com a análise das imagens de câmeras de monitoramento do Sistema Bem-Te-Vi. O ato deve ser considerado como intolerância religiosa, crime pela legislação brasileira.

O artigo 208 do Código Penal prevê sanções a quem “vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”. Nesse caso, a pena prevista é de detenção de um mês a um ano, ou multa. A liberdade de consciência religiosa e de crença é uma das garantias previstas também na Constituição Federal.

Em novembro do ano passado, a mesma imagem foi pintada com tinta vermelha e danificada em algumas partes. O novo ato de vandalismo fez com que a sociedade pedisse por segurança.

Receba notícias pelo WhatsApp do Notícia da Região >>> http://bit.ly/2mysztp 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale com o NR
Atendimento NR
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo WhatsApp